terça-feira, 23 de novembro de 2010

Bandeirinha maldita

Estava combinando com minha mulher de sairmos em uma sexta à noite para um programa há muito esquecido por mim - ir a um teatro assistir a uma peça nacional. A última vez que fui a um teatro foi há mais ou menos quatro anos para ver o Marcus Melheim e o Leandro Hassun na comédia "É nós na fita". Humor engraçadinho, daqueles que você acha graça e ri na primeira vez, mas algum tempo depois pensa "como joguei quarenta reais fora com essa merda?". Se bem que já fiz coisa pior - joguei sessenta reais fora em um show do Jô Soares...

Mas volto ao programa. Comecei a procurar alguma peça interessante e duas em particular me chamaram a atenção: "Mais Respeito que Sou Tua Mãe", com a excelente Cláudia Jimenez (que estava sensacional como a implacável Editora-Chefe Alberta Peçanha de "A Vida Alheia"), e "Doidas e Santas", com Cissa Guimarães, que também tem sido muito comentada. Olhei no site do Teatro do Leblon, onde estão em cartaz, e notei que os cartazes não mostravam tudo, estavam com a a parte inferior cortada. Fiquei meio cabrero com aquilo e resolvi investigar. Uma busca rápida no Google Imagens e lá estava ela, bem escondidinha:


Para quem não sabe, a Lei de Incentivo à Cultura, ou Lei Rouanet, é a tal da renúncia fiscal: parcela da tributação que a Receita perdoa aos grandes contribuintes desde que sejam aplicadas na tal "cultura" (uma "palavra-ônibus", que abarca um monte de coisa, de livro que ninguém lê a Cirque do Soleil). Só que quando um grande contribuinte deixa de pagar ao governo, o governo busca de outra fonte. Geralmente, aquela que está mais à mão.

Ou seja: o meu, o seu, os nossos bolsos, através de CPMF, CIDE, ICMS, PQP, FDP, VTNC, VSF...

Aí vem a pergunta: se já estou pagando pela peça, por que tenho que pagar mais R$ 80,00 pelo ingresso?

Aí vem outra pergunta: se é bom teatro, pressupõe-se que gere público suficiente para se sustentar em cartaz. Se precisa de verba governamental, é porque não se sustenta. Se não se sustenta, é porque a peça não deve ser tão boa.

Olha, tô decepcionado...

domingo, 3 de outubro de 2010

Meus candidatos

Presidente: 00

Governador: 00

Senador: 000 e 000

Deputado federal: 0000

Deputado estadual: 00000

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Conversas de casal

8 da manhã, um puta engarrafamento na Epitácio Pessoa. Sua parceira se vira para você e diz:

- Ai amor, estou para menstruar, estou com cólicas e cheia de gases!

(vidros elétricos sendo baixados - ou acharam que seria na manivela?)

- Amor, por que está baixando os vidros do carro?
- Não é esse tipo de contato que eu quero ter com seu "eu interior"!

Wild Wilde (III)

"As mulheres foram feitas para serem amadas, não para serem compreendidas."

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Wild Wilde (II)

"O jornalismo moderno tem uma coisa a seu favor. Ao nos oferecer a opinião dos deseducados, ele mantém-nos em dia com a ignorância da comunidade."

Nota do blog: atualíssima.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Só homem é palhaço? (III)

Quantas vezes você foi obrigado a ficar assistindo uma porcaria de uma novela só porque sua esposa/noiva/namorada gosta? Eu, uma porrada. E o pior é que aquilo vai entrado em você (êêêêêêêêpaaaaa!) por osmose e você tem que tomar o maior cuidade para não se pegar discutindo sobre o capítulo do dia anterior com suas colegas de trabalho.

Mas não era sobre novela que eu queria falar, e sim sobre o que somos obrigados a nos submeter algumas vezes, tudo para não desagradar a parceira. Como uma ex-namorada que em um sábado à noite teve a idéia "jenial" de ir a a um show... do Jota Quest! Sim, fui obrigado a ir a um show de uma bosta de banda pop-rock para fazer uma mulher feliz.

O problema era que eu não estava feliz.

Ok, me coloquei no lugar dela quando a levava para ver um jogo do Botafogo (se irritava duas vezes - com o jogo e comigo, que xingava todo o meu repertório de palavrões, e quando acabava criava novos) e tentei ser compreensivo. Até ouvir isso:

Hoje
preciso de você
Com qualquer humor,
com qualquer sorriso
Hoje só tua presença
Vai me deixar feliz
Só hoje

Se na voz do vocalista da banda já era um porre, imagine ouvir isso de uma voz irritantemente fanhosa no pé do seu ouvido, querendo fazer declaração de amor. Isso e outras porcarias do mesmo naipe, durante três torturantes horas. Desnecessário dizer que o namoro não foi para a frente.

Amor das mulheres, a quantas me obrigas!

Wild Wilde

"Toda a mulher acaba por ficar igual à sua própria mãe. Essa é a sua tragédia. Nenhum homem fica igual à sua própria mãe. Essa é a sua tragédia." Oscar Wilde

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Só homem é palhaço? (II)

Eu disse que tinha mais de onde veio.

Essa foi comigo. Depois dizem que mulher nunca está satisfeita com nada e querem saber por que.

Mulher sempre teve vício por organização. Algumas demais, outras de menos, mas sempre teve. Pois bem, estou prestes a me casar com uma que tem demais. Demais mesmo, beirando a obsessão.

Pois bem, buscando agradá-la, sempre lavo a louça (não se animem, pois já sou quase casado). Só que lavar a louça não se resume a apenas passar esponja com detergente nos pratos, copos e talheres. Tem o antes, o durante e o depois. O antes: tirar os restos de alimento dos pratos com papel-toalha; o durante: a lavagem propriamente dita; o depois: a limpeza da pia e da bancada.

Ciente de todos esses passos e após ter sido tudo cuidadosamente executado, pratos, talheres, copos e panelas sparking and clean, estou crente que minha futura(?) mulher iria ficar super contente e iria me recompensar generosamente por tão árdua dedicação - iria me deixar ver o jogo que estaria começando justamente no horário da novela das 8 (pensaram o que, depravadas?).

A figura chega em casa, e primeira coisa que olha é a cozinha... música de suspense...

- Não acredito!
- O que?
- Não acredito!
- O que?
- O QUE A TAMPA DA PANELA GRANDE ESTÁ FAZENDO EM CIMA DA PANELA PEQUENA? (!!!!!)

Se isso não é obsessão...

Há 65 anos...


...aquele coroa com cartola engraçada e barbicha de bode jogou mais um cabeção-de-nego no quintal do tintureiro.

domingo, 8 de agosto de 2010

Só homem é palhaço?

Vejo que está bombando na net o blog "Homem é tudo palhaço". Até lançar um livro as meninas já lançaram. Legal a iniciativa da mulherada de contar as suas desventuras com certos "cerumanos" do sexo masculino na net! Não, é sério! É uma aula magna de tudo que não se deve fazer com uma mulher!

Eu mesmo admito que já tive meus momentos de palhaçada. Mas não conto!

Mas o outro lado também deve ser ouvido. Questão de justiça. Ou por acaso as mulheres são perfeitos e puros anjos de candura, vítimas indefesas da insensibilidade dos brutos homens? É ingenuidade afirmar que não existem clowns no sexo oposto, ou momentos clowns do sexo oposto.

Uma dessas artistas de picadeiro será descrita agora por um amigo, que preferiu não se identificar, e que chamarei apenas de "M.":

Bom, estava em uma boate quando conheci uma mina (bem, não era tão mina assim, já era coroa) e depois de uma conversa e alguns chopes acabou que a gente foi para as vias de fato. fomos para um motel ali perto mesmo.

Chegando lá, e a temperatura já subindo, ela pediu para esperar um minutinho e foi ao banheiro. Tudo bem, às vezes a mulher quer dar uma conferida na lingerie, dar um retoque no visual. Mas quando ela abriu a porta, veio ela nua... JUNTO COM AQUELA MAROLA! Porra, ela fez nº 2! Cara, por mais que eu seja homem, existem certas coisas que não tem tesão que resista! E essa foi uma delas.

Mas já tava lá dentro mesmo, então o negócio foi prender a respiração...

Será que depois dessa, só homem que é palhaço?

Ah, e tem mais de onde veio hein?

Dúvida cruel

Casar ou trocar de carro?

É porque já tenho bicicleta...

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Há 65 anos atrás...

...foi jogado o primeiro cabeção-de-nego no quintal do japa.

sábado, 31 de julho de 2010

Respostas cretinas

- O que é necessário para dar entrada na certidão de casamento em cartório?

- Um otário!

domingo, 4 de julho de 2010

Acréscimos às leis de Murphy

A mulher mais gostosa lhe dará bola justamente quando você estiver com uma aliança no dedo esquerdo.

Você descobrirá o homem (a mulher) de sua vida após tê-lo(a) dispensado e vê-lo(a) nos braços de outra(o).

Alguém baterá no seu carro quando este tiver poucas semanas de uso, e esse alguém estará dirigindo um carro caindo aos pedaços. (Isso aconteceu comigo...)

Quando você tiver um distúrbio intestinal no meio de um engarrafamento, parará em um posto de gasolina para descobrir que o banheiro está ocupado, e quando o banheiro for desocupado, entrará no mesmo apenas para constatar que não há papel higiênico.

Quando você estiver sozinho dentro do elevador e soltar um punzinho, instantes depois o mesmo parará para alguém entrar.

Quando você estiver em sua mesa de trabalho e soltar uma bufa, instantes depois o seu chefe aparecerá e virá até você. Diga-se de passagem, antes do desagradável odor do enxofre ter se dissipado.

Quando você supor que ninguém o está obsevando limpar o nariz, fique certo: você estará sendo observado.

Todos os semáforos nos cruzamentos onde você passar estarão fechados quando você estiver atrasado.

Todas as principais vias estarão com o trânsito congestionado quando você estiver atrasado. Assim como as vias secundárias, terciárias e outras árias.

Quando você estiver falando mal do seu chefe para outro colega enquanto estiver urinando no mictório, fique certo: o mesmo sairá de dentro de um dos banheiros individuais.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

1º de Abril

Gostaria muito que ontem tivesse sido realmente 1º de abril e que tudo isso fosse uma pegadinha para matar de susto essa desiludida torcida.

Mas não foi. Porém, algumas mentiras ficaram evidentes:

1) Esse time é uma mentira muito bem elaborada pelos Srs. André Silva e Anderson Barros. Só livro a cara do Herrera, do Caio, do Jefferson, do Abreu e do Joel.

2) Essa diretoria é uma mentira, pois prometeu um time modesto, e nem isso conseguiu. Prometeu um patrocínio com um valor no mínimo duas vezes o da Liquigás, e o máximo que conseguiu foi um tampão até o fim do Carioca.

3) Enfim, esse simulacro de presidente que atende pelo nome de Maurício Assumpção é uma mentira que iludiu a torcida com craque de fechar aeroporto, com investimentos na base, e o máximo que está fazendo é ignorar solenemente o potencial da torcida e fatiar nossas promessas(?) com gente do mais baixo nível moral.

Pobre Rico Botafogo!

Post-scriptum

Deus foi misericordioso com o Armando Nogueira. Poupou-o de assistir a vergonha de ontem.

Notas da ressaca

É inadimissível ser eliminado em casa por um time da quarta divisão. Ponto parágrafo.

terça-feira, 30 de março de 2010

Tedenciosismo é isso...

Jornal da Globo, 01:05 da madruga, homenagem a Armando Nogueira e narram algum texto sobre o Botafogo. Certo?

ERRADO!

O texto que narram em homenagem a Armando Nogueira é um sobre a despedida do Zico dos gramados. Com direito a exibição dos gols do mesmo no urubu e na seleção (nas eliminatórias, diga-se de passagem. Pois quando era para decidir...).

Eu sei que é logica empresarial, mas às vezes a Globo beira o ridículo com sua preferência escancarada pelo time da Comlurb.

segunda-feira, 29 de março de 2010

E nele não havia formosura

Isaías 53,2-4 disse:

"Porque foi subindo com renovo perante ele, e como raiz duma terra seca; não tinha parecer nem formosura; e, olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos.

Era desprezado, e o mais indigno entre os homens; homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos nele caso algum.

Verdadeiramente, ele tomou sobre si nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido."

(...) nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos

Aí me pergunto: por que colocam então um Jesus Cristo loiro, de olhos azuis, cabelos lisos e sedosos, se na região da palestina onde habitava não havia sequer loiros?

As imagens abaixo foram produzidas por etnólogos e historiadores, a partir do um crânio de um judeu do século I, portando, contemporâneo a Cristo, e mostra a sua provável fisionomia:



Se bem que, pensando bem, é melhor manter as coisas como estão. Caso contrário, é capaz de ter gente associando Cristo ao Lula.

quinta-feira, 25 de março de 2010

Roda de paulista

Já repararam que toda vez que tem uma rodinha de paulistas rindo e você vai conferir do que se trata, é sempre alguma piada sem a menor graça?

segunda-feira, 22 de março de 2010

Como nem tudo são espinhos...

...comemorei minha translação de número 30 com alguém maravilhosa em um lugar não tão maravilhoso, mas que ela tornou maravilhoso.

Como já dizia Cazuza:

"Viver é bom,
Nas curvas da estrada."

30 voltas em torno do Sol

É o que estou fazendo hoje. Mais um balzaquiano nesse Brasil varonil.

É uma hora em que você olha para trás e começa a perceber que trilhou um caminho. Acertos. Erros. Erros mais do que acertos. Infância feliz. Adolescência de merda, recluso em si, com medo do mundo. Digna de ser esquecida. Ruptura tardia na juventude. Pelo menos houve uma ruptura.

Mas foi preciso uma adolescência de merda para que eu chegasse onde eu estou. Não há tempo para lamentar o que passou, apenas devo cuidar para que a geração vindoura não sofra da mesma forma.

Alguns dizem que reclamo de barriga cheia, pois estou de fato muito bem, e que eu deveria saber que outros que viveram tempos de glória hoje estão em uma merda de fazer gosto, e me perguntam se eu gostaria que acontecesse o mesmo comigo. Óbvio que não. Mas isso não atenua o fato de eu ter cometido um erro fatal: me fechei em mim e em uma porcaria de religião quando deveria ter encarado o mundo de peito aberto, com todas as consequências. Deveria ter sido eu mesmo, ao invés de querer ser como outros que eu julgava estarem um nível acima. Resultado: tudo foi tardio, cheguei atrasado em tudo. E as consequências desse atraso ainda estão vindo até hoje.

Bom, fazer o quê? Só resta assimilar a lição e passar isso para os que virão.

Se bem que poderia ter sido pior, e poderia estar auto-confinado em um mundo paralelo até hoje.

Antes tarde do que nunca.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Também quero!

Leio no blog do Janer uma referência a uma notícia do Estadão que afirma que o Ministério da Cultura, através do Edital de Periódicos de Conteúdo Mais Cultura. Fui atrás da notícia e me deparo com essa pérola escrita no site do Ministério da Cultura:

"O Ministério da Cultura publicou, nesta sexta-feira, 19 de fevereiro, no Diário Oficial da União (Seção 2, página 7), portaria com a lista de habilitados, inabilitados e desclassificados para o Edital Periódicos de Conteúdo Mais Cultura.

Revistas, jornais e publicações de quase todas as regiões do país enviaram propostas ao edital, que selecionará quatro publicações para aquisição de sete mil assinaturas por periódico, com investimento total de R$ 2,1 milhões.

Ao todo, foram 60 inscritos, sendo 45 do Sudeste; nove do Sul; cinco do Nordeste e um do Centro-Oeste. São Paulo, com 31 propostas, é o estado com maior participação no edital, seguido do Rio de Janeiro, com nove, e Rio Grande do Sul e Minas Gerais, que tiveram cinco inscritos, cada.

A Comissão de Avaliação selecionará quatro publicações para serem distribuídas a bibliotecas públicas, Pontos de Leitura, Pontos de Cultura e outros equipamentos e espaços culturais. O objetivo é popularizar materiais de leitura, estimular o hábito da leitura e despertar o pensamento crítico, disponibilizando a populações urbanas e rurais de baixa renda publicações com conteúdos diversificados e de qualidade.

“Queremos incentivar o gosto pela leitura através de diferentes linguagens e formatos que atendam aos mais diversos públicos, oferecendo desde jornais até clássicos da literatura nacional e internacional”, destaca Silvana Meireles, secretária de Articulação Institucional do Ministério da Cultura e coordenadora executiva do Programa Mais Cultura.

Participam da seleção pessoas jurídicas, com ou sem fins lucrativos, que têm por ofício a publicação de impressos distribuídos em território brasileiro, com ênfase mínima de 35% do conteúdo direcionado para cultura e artes. Os selecionados disponibilizarão todo o conteúdo da edição impressa em plataforma na Internet simultaneamente à circulação do meio impresso em bancas e/ou para seus assinantes."

Entre as habilitadas, estão boas publicações, como a "Pesquisa Fapesp" e a "Revista de História da Biblioteca Nacional". Mas em sua maioria, são lixos pseudo-intelectuais do tipo "Cult", "Rolling Stone", "Piauí". Além de panfletos como "Raça Brasil", "Caros Amigos", "Le Monde Diplomatique", entre outros.

O mais triste é que estão querendo utilizar recursos públicos para financiamentos de mediocridades que estão sendo postas como a vanguarda da vanguarda da literatura nacional, e panfletos de idéias há muito tempo mortas e sepultadas.

Estou comprando essas revista à força, e nada posso fazer.

Isso mais uma vez prova que revistas impressas estão com os dias contados. Quantas revistas têm aparecido e se firmado nos últimos anos? Mesmo as mais tradicionais, como "Veja", "Isto é", "Carta C apital", sobrevivem de farta propaganda (do governo, no caso de "Carta"). Se está difícil para estas, imagine aquelas que estão tentando se inserir no mercado...

Óbvio, quando falo dias contados, quero dizer que estão perdendo relevância. Claro que algumas com uma parcela fidelizada de leitores continuarão existindo, mas terão perdido espaço para o jornalismo eletrônico. Porém, a maioria terá desaparecido. Que bom.

Qualquer blog hoje possui uma quantidade de leitores maior do que qualquer uma das revistas contempladas pelo pires do MinC, e a informação que uma revista traz na semana seguinte a internet mostra na hora.

Isso me dá uma boa idéia: vou pedir subsídio ao MinC para esse blog. Afinal, como as tais revistas "Cult", "Caros Amigos", "Rolling Stone", "Piauí" entre outras, também não tenho leitores.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Frase do dia

"Você começa a perceber que está ficando velho quando começa a admirar o seu eletrocardiograma"

Essa é minha mesmo.

sexta-feira, 12 de março de 2010

E o Brasil vai ficando mais triste...

Foi-se Glauco Villas-Boas, pai do lendário Geraldão. Assassinado, junto com o filho, por dois cretinos. Que serão pegos em breve. Espero.

Se existem duas categorias que deveriam ser proibidas de morrer, deveriam ser os cartunistas e os humoristas.

Mas infelizmente não é. Azar do Brasil, que vai ficando cada dia mais triste. E sorte dos anjos.

Requiescat in peace, Glauco e filho.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Ainda sobre o barraco intelectual

Me parece que Reinaldo dessa vez usou, astuciosamente, o estratagema 26 de Schopenhauer - "Retorsio argumenti". Consiste simplesmente em usar o argumento de Janer contra si próprio. E tinha as razões para isso, que eram as atribuições anteriores ao autor montenegrino.

E Janer também parece ter o hábito de usar o estratagema 32 - "rótulo odioso". É o que faz ao lembrar o passado "rouge" do Reinado.

O que mais me diverte é ler esses embates junto com o livro de Schopenhauer.

terça-feira, 9 de março de 2010

Dois prá lá, dois prá cá

E segue mais um divertidíssimo round entre a Criada Juliana e o Recórter Chapa-Branca Tucanopapista Hidrófobo, vulgos Janer Cristaldo e Reinaldo Azevedo, respectivamente.

Ao que me parece, dessa vez foi com relação a uma expresssão - "nova classe social" - no que, supostamente, Reinaldo pretendeu como neologismo de sua criação, sendo que, segundo Janer, tal expressão já existia.

Bom, realmente em um primeiro momento Reinaldo deixa a entender no texto que quis se pretender criador da tal expressão. O seu histórico de suposto criador de neologimos já existentes ajuda (digo "suposto" porque tenho dúvidas se isso não é apenas fruto de um ego do tamanho de Júpiter, que acredita que realmente está criando neologismos...). Como também poderia ser que não. Mas deu a mancada de não mencionar o autor da expressão. Pergunto-me se fez isso deliberadamente, já querendo chamar Janer para a briga.

Bom, deliberadamente ou não, o fato é que o fato não passou despercebido por Janer, que se prontificou a dar mais uma de suas alfinetadas, apelando ao passado trotskista de Reinaldo, insinuando que o mesmo andou cabulando suas aulas de marxismo. É engraçado o fato de Janer sempre usar a palavra "marxista" para atacar seus alvos, mesmo que esse alvo seja supostamente "de direita". Suas críticas ao Olavo de Carvalho contém os mesmos elementos, já que, como Reinaldo, Olavo fora comunista em seus dias imberbes. Em certos meios, chamar alguém de marxista é pior que chamar de corno...

Só que Reinaldo dessa vez, ao invés de sair pela tangente deixando alguns insultos (como de costume), veio com munição farta, mostrando textos antigos em que atribuía a expressão a Milovan Djilas - vice-presidente de Tito. Conforme Janer tinha mostrado. Além dos seus insultos tradicionais. Aliás, sempre achei o Reinaldo uma versão light do Olavo de Carvalho. Um Olavo de Carvalho sem palavrões.

Não sei, mas me pareceu que o Reinaldo fez isso deliberadamente, ou seja, preparou uma arapuca para Janer. Justamente pelo fato dele ter feito questão de mostrar os textos anteriores em que atribuía a expressão ao autor montenegrino. E com isso tentando mostrar para seus leitores que Janer tentou utilizar os seus próprios (do Reinaldo) textos para acusá-lo (mais uma vez) de plágio. A forma um tanto óbvia com que Reinaldo atribuiu para si a tal expressão só reforça a impressão de veracidade de minha suposição. É uma jogada suja? Certamente, pois não há debate, e sim a vontade de derrubar o adversário a qualquer custo. Mas quem afirmou que se joga limpo nesse meio?

Mas ao que parece, Janer tirou um coelhinho da cartola, ao mostrar que a expressão fora título de um livro escrito por dois jornalistas sul-riograndenses, em 1999. Ajuda a atenuar, pois desmente a afirmação de Reinaldo em que Janer tentou usar seu próprio blog para acusá-lo de plágio, pois outras fontes são citadas. Mas não apaga o fato de Janer dessa vez ter sido um tanto precipitado.

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Minha primeira caipirinha...















... depois de devidamente e merecidamente degustada.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

$FC

Do "Terra Magazine":

"Com o futebol cada vez mais balizado pelas finanças, crescem abismos entre os principais clubes brasileiros. Alguns conseguem arrecadações não tão distantes dos superesquadrões europeus e, assim, ampliam a disparidade em relação aos compatriotas.


Consultor e professor de gestão de entidades esportivas e estratégias de marketing esportivo, Amir Somoggi percebe a reconstrução da hierarquia nacional e o aumento do desnível de poder. Ele indica Flamengo, Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Internacional, Grêmio e Cruzeiro como os verdadeiros grandes atualmente, distinguidos assim devido ao nível de investimento que vêm conseguindo efetuar.

O especialista da consultoria Crowe Horwath RCS alerta que Fluminense, Botafogo e Atlético Mineiro tendem a deixar de ser considerados grandes em pouco tempo. Santos e Vasco ocupariam uma posição acima, embora também ameaçada.

Somoggi acredita que, composto por 12 tradicionais instituições, o grupo de clubes grandes brasileiros está se restringindo a sete. "O que vai acontecer é você tê-los no topo da pirâmide, está havendo um realinhamento", afirma para Terra Magazine.

"São as maiores marcas. Claro, os pequenos têm importância, representam um número grande de clubes formadores que precisam sobreviver. Mas isto é uma tendência global e está acontecendo no Brasil, a consolidação do mercado. Não há lugar para 20 ou 30 times grandes em nenhum lugar do mundo. Não seria diferente do Brasil", analisa o fenômeno nacional dos novos pobres.

Na verdade, ocorre o declínio de uns e o crescimento de outros. "O Flamengo arrecadou R$ 53 milhões em 2003; em 2008, R$ 118 milhões. O Vasco, que faturou R$ 36 milhões em 2003, só conseguiu R$ 52 milhões. O Fluminense passou de R$ 32 milhões para R$ 66 milhões. Por ano, São Paulo, Corinthians e Palmeiras arrecadam acima de R$ 100 milhões, cada um", compara.

Se as cotas de transmissão televisiva já reforçam a desigualdade de receita, Corinthians, São Paulo e Flamengo vêm estabelecendo recordes de patrocínios, enquanto outros clubes da própria Série A penam para obter um anunciante fixo nas áreas mais valorizadas de seus uniformes.

Para Somoggi, as disparidades se refletem na quantidade de equipes que, de fato, concorrem aos títulos. Nisto, ele destaca o São Paulo, com três títulos e uma terceira colocação nas quatro últimas edições da Série A.

"Nós temos que esperar dois, três anos de Brasileirão, para poder tirar alguma conclusão. Se São Paulo ou Flamengo for campeão, fica a fotografia igualzinha à da Europa. Todo mundo fala que aqui é diferente, que pode ter sete, oito, dez campeões, mas nunca vi isto acontecendo", alfineta Somoggi, pós-graduado em direção de marketing estratégico de entidades esportivas pela Universidade de Barcelona.

"Ficam com esta teoria, todo ano, de que o Botafogo pode ser campeão. Não vai ser campeão nunca. Com o faturamento e o gasto com futebol que tem, não tem jeito. O Botafogo é o Wigan, da Inglaterra", trata de apequenar o tradicional alvinegro.

Negócio

Apesar de algumas zebras e partidas equilibradas entre ocupantes das duas pontas da tabela da Série A, Amir Somoggi minimiza o caráter imprevisível do futebol.

"Isto acabou. Adoro futebol, sou apaixonado pelo esporte, mas ele se converteu num negócio. Não dá para você dizer: 'Ah, mas quando o juiz apita, o negócio fica do lado de fora'. Isto é mentira", teoriza, para, em seguida, ilustrar:

- Quando o salário não está em dia, o jogador não joga bem. Se contrata alguém com salário alto demais em relação aos outros, a equipe se sente melindrada, não passa a bola. Aspectos até maiores, como interesses comerciais que fazem um time ter uma pré-temporada que atrapalha sua preparação; isto aconteceu com o Real Madrid muitas vezes.

Seu raciocínio é claro: "A relação do negócio com o esporte, em termos gerais, é essencial. Não há hoje esporte de alto rendimento que não tenha um grande investimento financeiro".

Somoggi não vê outro caminho. "É uma tendência irreversível, o que os clubes menores têm que fazer é se fortalecer mercadologicamente, contratar bons profissionais, desenvolver sua marca, aumentar sua receita com jogos, fazer o extremo esforço para não ficar para trás, pois já estão ficando".

Eficiência

O dinheiro em si, no entanto, não signfica êxito necessariamente. Há que saber gerir os recursos. "Entre aqueles que mais gastam, dá para você traçar uma comparação entre aqueles mais eficientes. Nem sempre aquele que mais gastou foi o melhor. O que fica muito claro é que quem gasta pouco vai ficar na zona intermediária ou embaixo na tabela. Você vê exemplos típicos de Avaí e Goiás (no Brasileirão de 2009), que vão bem num momento da competição e depois caem", diz Amir Somoggi, com a experiência de anos analisando as contas dos clubes.

Caso emblemático de eficiência na aplicação do dinheiro envolve a dupla Gre-nal. "O Internacional foi o segundo clube que mais gastou com departamento de futebol em 2008 e ficou em sexto lugar na Série A. O Grêmio, que gastou menos, entre os que mais gastaram, ficou em segundo", lembra Somoggi.

O desempenho em campo atrela-se às receitas. "Em termos gerais, a gestão do departamento de futebol depende, cada vez mais, de o marketing faturar mais para o clube. Porém, não é só dinheiro porque, se não, quem faturasse mais dinheiro ganhava (o título)", frisa o especialista.

Ganhar ou manter estatura passa pelo trabalho de engordar as cifras. "Se o clube souber se estruturar mercadologicamente, por ter grandes torcidas, marcas importantes e estádios como alavancador de seus negócios, pode, sem sombra de dúvida, implementar esta consolidação (como grande)", orienta o consultor.

Clubes de maiores torcidas atraem mais anunciantes, aparecem em mais partidas televisionadas, ganham mais espaço no noticiário. Com mais dinheiro, aumentam suas chances de êxito. E de arregimentar mais seguidores, mais patrocinadores, mais valor midiático...

A crescente disparidade, fomentada pelo modelo capitalista, firma-se no ciclo vicioso dos gigantes a quem cabem parcelas maiores. "O Clube dos Treze poderia, se quisesse, equilibrar um pouco esta equação com as cotas de transmissão de TV. A única forma que teria. Mas acontece o mesmo processo: os de cima ganham muito mais do que os de baixo", explica Somoggi.

Há ligas esportivas europeias e americanas que fazem uma série de exigências para que não se erga um abismo tão grande entre os times grandes e pequenos, conta Somoggi. Na prática, porém, as outras fontes de receita mantêm o abismo de orçamentos. "Por mais que se tenha feito isso na liga de beisebol dos EUA, o time que menos fatura arrecada muito menos do que o que mais fatura, mesmo recebendo valor igual da TV", rabisca um paralelo, citando também ocorrências do futebol europeu.

Segmentação de mercado

Se nem todos podem virar potências, existem alternativas para os estagnados. "São clubes de nicho. Eles têm que buscar seu espaço. Há soluções para todos", dá esperança Amir Somoggi. "O Náutico nunca vai ser o Flamengo. Mas, para sua torcida, em Pernambuco, ele é muito mais importante que o Flamengo", exemplifica.

Conhecer seu mercado é fundamental. "O Fluminense possui uma grande participação de torcedores na classe AA, do mais alto padrão de consumidor. É preciso explorar esse caráter local pra buscar patrocinadores e desenvolver ações de marketing voltadas para seu público", orienta.

Somoggi ilustra seu pensamento a partir do espanhol Osasuna, cuja "chance de ser campeão é nula". Mesmo nanico, consegue arrecadações suficientes. "Ele tem ocupação histórica de 90% do seu estádio, coisa que nenhum clube brasileiro possui", compara o especialista.

Ele comenta que Inter e Grêmio, mesmo sem o caráter nacional e o valor de marca das equipes cariocas e paulistas, obtêm faturamento alto por meio de estratégias com enfoque regional. "Têm patrocínios muito menores do que Flamengo, Corinthians e São Paulo, mas, em termos de receita, figuram no topo porque ganham com venda de jogadores, com seus sócios, ações de marketing".

"Esses times estão arregaçando as mangas, tomando o lugar de outros que ficaram para trás", aponta. "O licenciamento (de produtos) do Grêmio é maior do que o do Palmeiras, por exemplo".

E avisa Somoggi: "O Palmeiras tem um estádio para 30 mil pessoas, por exemplo, e o Inter tem estádio para 50 mil. No futuro, se o Inter souber explorar seu estádio, que vai ser sede da Copa de 2014, ele pode inclusive se consolidar como um dos grandes. O mesmo vale para o Grêmio e clubes que têm, de repente, um estádio menor."

Vamos lá:

Somoggi não falou nenhuma mentira. Quem mais investe mais chances possui de ganhar. A arrecadação do flamengo é duas vezes a nossa, podendo dobrar nos próximos anos. Logo, eles possuem mais possibilidades de serem campeões do que nós. Contra fatos não há argumentos. Pesa a favor deles a sua torcida e o imenso apelo de mídia que possui, o que permite que continue mantendo suas políticas arcaicas sem maiores consequencias. Basta um mkt bem trabalhado.

Não é o nosso caso. O crescimento de nossa torcida a nível nacional tem sido insignificante. Mas ainda temos um número respeitável de torcedores, ou seja, condições de dar um salto em nossas receitas. Acresce-se a isso o fato de termos estádio "próprio", e nossos ativos serem muito bem localizados, a meio-caminho entre o centro financeiro do RJ e os principais pontos turísticos.

E Somoggi não diz que a situação é irreversível. Apenas adverte que o tempo para nós está se esgotando. E a solução ele mesmo dá: DIVERSIFICAÇÃO DAS RECEITAS. O Botafogo não pode mais se dar ao luxo de ser apenas um clube de futebol.

Agora há algums incoerências em seu discurso. Como exemplo, temos o fluminense. A receita dele é pequena, mas é um dos que mais gastam com futebol, com uma folha salarial que, ano passado, beirava os R$ 3 milhões. Quase o dobro da nossa. Ou seja, uma receita menor não quer dizer necessariamente menos gastos com o Futebol. Basta um bom direcionamento orçamentário.

Além disso, por mais estrutura e orçamento que um clube brasileiro tenha, não tem - ainda - como competir com os clubes europeus. Isso significa perda de jogadores decisivos durante campeonatos. Isso aconteceu com o flamengo em 2008, que perdeu de cara Marcinho e Renato Augusto, o que provavelmente lhe custou o título. Ok, foram para clubes não-europeus, mas serve como ilustrativo.

O Maurício Assumpção, críticas a parte, sempre advertiu para algo básico: O FUTEBOL DO BOTAFOGO NÃO PODE FICAR SUSTENTANDO O CLUBE. Ele sempre quis, desde o começo, cada um no seu quadrado, ou seja, gerando renda pos si próprio - esportes olímpicos, social, futebol. Se conseguirá, não sei. Será ótimo se sim.

A primeira ação, acredito, é o lançamento do plano de sócio-contribuinte (que será em fevereiro). Se for do jeito que está previsto no estatuto e tiver um preço acessível, vou adquirir o meu na mesma hora e tentar, de alguma forma, mudar o Botafogo. O instrumento para isso eu terei, que é meu voto. Acredito que muitos aqui pensam parecido. E isso pode alavancar as receitas do social, de forma que deixe de ser deficitário. Assim espero.

Atenção para esse parágrafo:

"Se o clube souber se estruturar mercadologicamente, por ter grandes torcidas, marcas importantes e estádios como alavancador de seus negócios, pode, sem sombra de dúvida, implementar esta consolidação (como grande)"

Temos as duas últimas. Se soubermos trabalhar a longo prazo, poderemos conseguir a primeira. O Botafogo possui uma imagem muito simpática fora do Rio. Temos aí potenciais torcedores. Vale a pena lembrar que o escudo do Botafogo é considerado o mais belo do mundo. Poderíamos encontrar uma forma de capitalizar isso.

Apesar de estar em processo de envelhecimento, a torcida do Botafogo ainda tem um bom contingente jovem. Uma estratégia bem-feita de mkt acompanhada de um ST com direito a voto, com recursos indo diretamente para o depto. de futebol pode ser o pontapé inicial de uma reestruturação financeira e administrativa.

Se colocarem direito à voto no ST, aí começo a acreditar no Maurício Assumpção. Sonhar não custa nada.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Love urubu

Agora é oficial. Vagner Love está na Gávea. E a primeira providência que ele garantiu que tomará será pintar aquelas trancinhas ridículas de vermelho e preto, para evitar problemas com os procuradores do STJD.

Imperador e Love juntos: goleadores vão reviver dupla de ataque da Copa América em 2004 (Crédito: Montagem Allex Ximenes)
Créditos: Lancenet
Se bem que agora isso não é mais necessário...

Here, there and everywhere

Primeira postagem do ano.

De agora em diante, em qualquer lugar, em qualquer hora. Um texto cretino, uma foto insólita.

Powered by Amora Silvestre. Não entendeu? Joga no Michaellis.