segunda-feira, 26 de maio de 2008

Quanta moral hein, Papa?

Como já dise aqui, não sou de copiar textos de outros blogs, pois sou muito inteligente para isso, além de humilde. Mas encontrei esse no blog do Janer Cristaldo e não resisti, tenho que publicar aqui:

"(...)Como sempre considerei, nossos jovens católicos são católicos só de fachada. Em verdade, não admitem que um papa se intrometa entre seus lençóis. O que me lembra algo ocorrido no Chile, durante uma visita de João Paulo II. O único jornal a relatar este episódio, pelo que me consta, foi o parisiense Le Canard Enchainé. Perorava Sua Santidade às juventudes chilenas.

- Hermanas y hermanos que estáis hoy aquí reunidos! Verdad que renunciáis a las tentaciones de la sociedad de consumo?

Sua Santidade ouviu um sonoro "Sííííí!"

- Hermanas y hermanos que estáis hoy aquí reunidos! Verdad que renunciáis a los placeres del dinero y del poder?

- Sííííí!

- Hermanas y hermanos que estáis hoy aquí reunidos! Verdad que renunciáis a los placeres del sexo?

A multidão fez um profundo silêncio. Sua Santidade repetiu:

- Verdad que renunciáis a los placeres del sexo?

- Nooooo! - foi o que ouviu Sua Santidade."

sábado, 24 de maio de 2008

Isso que é cidadania

Conhecer seus direitos pode ser de grande utilidade.

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Sexo também é esporte

PC Vasconcellos, na apresentação de seu perfil em seu blog, diz:

“A vida se repete num campo, numa quadra, num tatame e numa piscina”

Vou mais longe, PC. A vida também se repete em uma cama (ou um sofá, ou um banco traseiro de um carro, ou até mesmo no chão, se a urgência for grande demais)

Afinal de contas, sexo também é esporte.

Papo de peão

- Qualé cara! Vai ficar fazendo c* doce?

- Vou, por quê? Você é diabético?

terça-feira, 20 de maio de 2008

Um papo com Pedro Dória

Como é bom interagir com pessoas que acrescentam algo em sua vida. Leio hoje no blog do Pedro Dória:

""No Brasil, onde fica 60% da floresta Amazônica, o debate a respeito da propriedade da mata é dado em termos recorrentes. Há uma suspeita antiga, por parte dos militares e dos segmentos conservadores, de que o real objetivo dos estrangeiros é tomar posse deste pedaço selvagem e tropical do país e de suas riquezas.

A importância global da Amazônia é bem conhecida. Ela atua como um regulador de clima, afetando diretamente os padrões de chuva no Brasil e na Argentina. Seus ventos, sugerem alguns estudos, talvez afetem chuvas na Europa e América do Norte. A queima e decomposição de árvores cortadas pelo desenvolvimento do Brasil é responsável por 50% das emissões de carbono oriundas do desflorestamento, diz Meg Symington, diretora para Amazônia do World Wildlife Fund, nos EUA. […]

Há poucos casos concretos daquilo que os brasileiros chamam de biopirataria. A companhia farmacêutica Bristol-Myers Squibb, por exemplo, descobriu que o veneno das cobras jararacas pode ajudar no controle de pressão alta e o usou para lançar o remédio Captopril. Mas em geral, diz Thomas Lovejoy, presidente da ong Heinz Center, ‘a biopirataria é uma lenda".

O assunto mais badalado dos últimos dias, nas redações do Brasil, é a reportagem dominical do novo correspondente do New York Times, Alexei Barrionuevo, com o sugestivo título ‘A Amazônia pertence ao Brasil – ou ao mundo todo?‘. Na caserna, já estão lá uns generais e coronéis de pijama todos ouriçados.

Quem lê o texto sem preconceitos ou pré-concepções, no entanto, descobre outra coisa: é honesto. É a típica pauta que só um repórter estrangeiro recém-chegado ao Brasil perceberia. Trata da paranóia sempre presente por aqui de que alguém, em algum lugar, nos quer roubar a Amazônia. Não fala de uma ameaça real. Quem conhece o Brasil há muito não se surpreende com esta discussão; aqueles que chegam de fora ficam surpresos com a idéia que ronda as teorias conspiratórias da direita.

Num segundo nível, no entanto, a reportagem levanta uma questão importante. Quando um país não cumpre com suas responsabilidades, o que a comunidade internacional deve fazer?

Veja-se o caso do Sudão e de seu genocídio em curso na região de Darfur. Às vezes está mais em evidência na imprensa, noutras tantas, menos. A China sustenta economicamente o país e ninguém achou que cabe uma invasão, mesmo que para salvar gente. Em princípios dos anos 90, a Otan, sob o comando do então presidente dos EUA, Bill Clinton, interveio no Kosovo para impedir outro genocídio.

Noutros casos, a questão não são vidas humanas em risco. A China polui – e polui sem culpas. Está prestes a se tornar o maior emissor de carbono do mundo. Enquanto isso, o atual maior emissor, os EUA, elegerá um presidente – seja Obama, seja McCain – que agirá como Bush se recusou a agir e partirá para diminuir a dependência do petróleo, coisa que fará bem ao planeta, pela geopolítica, pelo aquecimento. Mas ninguém cogita intervenção na China. Mal há pressão.

Ecologicamente, o Brasil tem uma atuação dúbia. Nosso governo é totalmente irresponsável no que tange a preservação da Amazônia. Por outro lado, nossa energia vem em primeiro lugar do etanol, em segundo das hidrelétricas – combustíveis fósseis em terceiro. Nesse sentido, não tem país grande como este. Se há críticas ao etanol brasileiro – e há –, elas são injustas. O etanol de cana – e não o de cereais – é a alternativa mais barata e mais eficiente que há hoje para o petróleo-combustível. Não que a grande indústria petroleira goste disso.

Daí que a questão amazônica é surpreendente. Embora seja um exemplo de substituição do combustível fóssil, o país é o quinto maior emissor de carbono do mundo. São as queimadas. E a responsabilidade é de Brasília. Qual responsabilidade? O Brasil não tem uma política para a Amazônia. Cada ministério tem suas preocupações, cada setor do governo faz o que quer e, evidentemente, os interesses entram em conflito.

O Brasil é assim: quando quer, o governo sabe fomentar um setor, investir em pesquisas, se relacionar com empresas privadas e nos tornamos líderes mundiais em algo inovador ou inventamos soluções próprias e competitivas. O governo sabe ser competente. Assim como nossas empresas privadas também sabem. É o Brasil do etanol, da Vale, da Petrobras, da Natura, da Embraer. Noutras vezes, deixamos os problemas para lá na esperança de que alguma solução apareça pela inércia. Jamais aparece.

Os militares tinham uma política para a Amazônia: a de ocupá-la. Sua política foi desastrada. Mandou gente para lá que não acaba mais e não legalizou a situação de ninguém, não distribuiu os títulos de terra que prometera, tampouco construiu a infra-estrutura que devia. Na falta de legalização, a lei passou a ser a da arma e da força. É uma vida dura, difícil. Mas ao menos tinham um objetivo para aquele mundo de terra e de mata. Os governos civis não têm. No fundo, e já há muitos governos, o que falta para a Amazônia é um objetivo claro.

O Brasil tem, sim, uma responsabilidade perante o mundo de preservar sua floresta. É uma responsabilidade também perante nós mesmos. Sem Amazônia, não há chuva do centro-oeste ao sul para irrigar as plantações que sustentam o crescimento ou encher as hidrelétricas que acendem São Paulo e o Rio. Então, do ponto de vista pragmático, não há dúvidas de que preservar é bom negócio.

Como preservar? Fechar tudo e não deixar ninguém mais entrar? Como distribuir os títulos de terra para quem já está por lá? Como instituir a lei numa terra em que deputados-policiais matam gente com serra elétrica? Como erguer centros de pesquisa brasileiros com cientistas de ponta transferidos ou nascidos na região?

Ninguém vai tomar a Amazônia – a política internacional não comporta esse tipo de ação.

Mas, por trás do pedido de demissão da ministra Marina Silva, está um fato simples que só. O Brasil ainda não sabe o que quer fazer com sua maior floresta. E, enquanto não soubermos o que fazer com a mata, ela seguirá sendo destruída e uns tantos entre nós, por puro sentimento de culpa, continuarão achando que alguém lá fora vai tomá-la na força. Talvez porque, no fundo, bem lá no fundo, saibam que temos culpa no cartório."

Comentei discordando:

"Como os euro-americanos são bonzinhos!

Vamos salvar a Amazônia dos maus brasileiros!

Será que ninguém se tocou ainda que qualquer plano de manejo sustentável da Amzônia elaborado aqui no Brasil, por melhor que seja, não será bem-sucedido unicamente por não ter sido elaborado no norte, visando os interesses do Norte?

Ninguém aqui é ingênuo, e todos sabem que a parte realmente intressante da Amazônia está ABAIXO DO SOLO.

E nosso governo, ao não estabelecer uma política de controle da expansão da fronteira agrícola, a maior responsável pelo desmatamento na Amazônia, parece estar agindo deliberadamente para fortalecer as vozes favoráveis a uma pretensa “internacionalização”.

E PD não perdeu uma oportunidade de alfinetar a classe militar - a única que pensou e pensa a longo prazo nesse país, com falhas de planejamento, mas pensam - com termos pejorativos do tipo “Generais e coronéis de pijama”…

O dia em que a Europa e os Estados Unidos pararem de nos olhar como uma ameaça e começar a discutir de igual para igual uma forma de manejo sustentado que venha beneficiar a todos nós, e não só para manter o padrão de consumo do Norte, aí poderemos começar a pensar em uso compartilhado."

Eis a resposta de Dória:

"Calango, perdoe mas, neste momento, o Brasil faz com sua Amazônia o que bem entender e não importa o que pensam EUA e Europa.

Os méritos e defeitos são exclusivamente nossos, ninguém lá fora tem nada com isso. Então, ao invés de reclamar do povo lá fora, somos nós que temos que ter solução.

No que toca aos militares, eu deixo absolutamente claro que, diferentemente dos governos civis, eles tiveram uma política para a Amazônia. Era uma política de ocupação que tinha objetivo e plano de conquista. Foi mal implementada, ainda bem. Porque o resultado seria desastroso. Mas eles sabiam o que queriam fazer.

Nenhum dos governos civis sabe o que quer com a Amazônia. Na falta de planos, o caos."

É verdede, Pedro. no que tange à preocupação do governo com a Amazônia, nossas opiniões conicidem. Parece ação deliberada - a atitude do governo, não nossas opiniões.

Mas, PD, da mesma forma que eu critico o governo, por não tomar medidas com o objetivo de manejar a amazônia de forma sustentável e assim dar voz aos Alexeis Barrionuevos da vida, também critico todo esse discurso bem-intencionado, mas com interesses espúrios, que vem de lá do outro lado do Equador.

Ou será que alguém acredita que os Euro-americanos pretendem manter a amazônia intocável para a eternidade?

Para terem uma idéia de como a galera do andar de cima está preocupada com a floresta amazônica, vejam essa notícia do "The Independent".

Olhem seus rabos, macacos!

segunda-feira, 19 de maio de 2008

E é por isso que dizem...

...que brasileiro só copia do primeiro mundo o que há de ruim. Leiam notícia que postei no dia 11/03/08, do portal G1:

Holanda quer liberar sexo nos parques

Polícia holandesa quer liberar a partir de setembro o sexo em parques públicos. A determinação, que já vale em alguns parques de Amsterdã, está sendo estudada, segundo informações do site "nis.nl".Um vereador local avisou que haverá regras. Entre elas: o ato não poderá ser feito perto dos playgrounds e outros locais onde haja um grande número de crianças. As camisinhas usadas terão que ser jogadas no lixo mais próximo.As duas ou mais pessoas que estiverem no meio do ato sexual também terão que controlar os barulhos. A determinação é que não atrapalhe a vida dos demais visitantes dos parques.“Por que devemos manter algo que atualmente é impossível de manter?”, afirmou Paul van Grieken, em entrevista para a imprensa local. Ele é o responsável e vereador pelo distrito Oud Zuid, em Amsterdã.Van Grieken, porém, avisou que o sexo terá horário. E só poderá ser feito à noite.Por outro lado, os donos de bichinhos domésticos poderão levar multas se andarem com os animais sem coleira. “Uma pesquisa mostrou que isto incomoda bastante aqueles que tomam sol e andar de bicicleta”, disse o vereador.

Hoje de manhã, indo para o trabalho, ouço no rádio que está sendo estudada a possibilidade de ser reservada uma área para a prática de sexo ao ar livre no parque do Ibirapuera. A única dúvida que pairou no ar é se será feito apenas à noite e haverá multa para quem andar com bichinhos sem coleira.

Bem, não só copiamos aquilo que o primeiro mundo tem de pior, como também somos capazes de aperfeiçoar...

Liberdade, por Dom Quixote

Atendendo a milhões de pedidos (do Márcio):

"A liberdade, Sancho, é um dos mais preciosos dons que os céus deram aos homens; a ela não podem igualar-se os tesouros encerrados na terra e nem os que o mar encobre; pela liberdade assim como pela honra se pode e se deve arriscar a vida e, pelo contrário, o cativeiro é o maior mal que pode vir aos homens."

Don Quijote, II, 58, págs. 984-985

domingo, 18 de maio de 2008

Libertad, por Don Quijote

"La libertad, Sancho, es uno de los más preciosos dones que a los hombres dieron los cielos; con ella no pueden igualarse los tesoros que encerra la tierra ni el mar encubre; por la libertad así como por la honra si puede y debe aventurar la vida, y, por el contrario, el cautiverio es el mayor mal que puede venir a los hombres"

Don Quijote, II, 58, págs. 984-985

sábado, 17 de maio de 2008

The Castillo Show

E o Cruzeiro venceu no Mineirão. 1 x 0, gol de Gulherme, em um pênalti inexistente, pois Vagner se jogou e o juiz foi na onda. Poderia ser 6 x 0, mas tinha um paredão uruguaio na frente. Valeu, Castillo!

Botafogo entrou com um time misto que pouco ameaçou a meta da raposa, exceto em uma jogada pela direita de Wellington Paulista defendida por Fábio e um lance inacreditável desperdiçado por Ferrero, que preferiu chutar para fora a tocá-la para dois dos nossos que estavam livres e em posição legal.

Mais uma vez ficou evidente a limitação de Renato Silva, que tomou uma bela caneta de Guilherme no lance que terminaria no pênalti fajuto.

Um empate sairia de bom tamanho. Mas não deu. Agora é focar na terça-feira, em que estaremos enfrentando um gavião embalado pela vitória sobre o Gama.

Mais sobre a enciclopédia

Só teve um jogador que Nílton Santos não conseguiu parar: Mané Garrincha. Tal glória pertence a Domingos da Guia.

Aliás, graças a Deus que Nilton santos não conseguiu pará-lo. Nesse momento o Botafogo começou a escrever uma página histórica no livro do futebol.

Agora, nessa fase de sua longa e bem-vivida vida, aparece um outro atacante muito mais sutil e astuto tentando passar por ele - Alzheimer.

Mas esse ainda tá tentando passar.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Parabéns

O maior ídolo vivo do Fogão, Nílton santos, hoje está completando 83 anos. Não o vi jogar - tudo que eu sei é de filmes antigos e relatos do meu pai, que teve a felicidade de vê-lo atuar ao lado do Anjo das Pernas Tortas, naquele Botafogo que, infelizmente, não voltará a existir.

Aliás, foi graças à intervenção de Níltos Santos que Garrincha foi contratado pelo Alvinegro, isso lá pelos idos de 1953. O resto, todos sabem.

Que fique aqui registrada esta pequena homenagem à "Enciclopédia do Futebol".

Em ação

Hoje. Coberto de honrarias mais que merecidas

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Não é preciso ser rico para ser elegante...

... e Pixinguinha vai nos mostrar isso no vídeo abaixo. Esbanjando elegância ao lado do grande flautista Benedito Lacerda e grupo regional desconhecido.

http://www.youtube.com/watch?v=HyU1wEkyf28

Menos é mais. Elegância na simplicidade. Salve eterno Mestre!

terça-feira, 13 de maio de 2008

O Maracanã como poderia ter sido

Abaixo vão fotos da maquete de um projeto de Niemeyer para um concurso objetivando a construção de um centro olímpico no bairro do Maracanã, promovido pelo Ministério da Educação e Sáúde em 1941 e presidido pelo Ministro da educação à época, Gustavo Capanema.

O projeto de Niemeyer compreendia um estádio para futebol e atletismo com capacidade para cento e trinta mil pessoas; um estádio para esportes aquáticos, com capacidade para dez mil pessoas; três ginásios cobertos para basquete, voleibol e tênis, com capacidade para cinco mil pessoas cada um; um campo para pólo e uma escola de ducação física dispondo de salas de aula, dormitório e ginásio. Estacionamento e uma ponte de acesso à estação do Maracanã estavam previstos no projeto

O mais marcante era a monumental estrutura em arco, de onde saíam os tirantes que sustentavam a marquise que protegia o setor norte das arquibancadas, o mais sujeito à incidência solar. O arco desempenhava duas funções: estrutural e de inserção da construção na paisagem urbana carioca.


Infelizmente o projeto escolhido é o que temos atualmente. Me pergunto onde os jurados estavam com a cabeça...

domingo, 11 de maio de 2008

Curtindo a paisagem. E ainda ganhando hora extra

Uma tarde maravilhosa de sábado e eu estava no batente...

Com raiva do chefe? Imagine...

Imagine-se no meio de imensas pastagens, sem o menor ruído de algo parecido com civilização, respirando um ar que a cidade grande jamais lhe oferecerá, e com apenas o vento cochichando em seu ouvido.

Imaginou? É exatamente onde estive trabalhando ontem.

E ganhando hora extra!

IURD - um trocadilho

Onde se lê:

Igreja Universal do Reino de Deus

Lê-se:

Imorais Unidos para Roubar seu Dinheiro

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Notas ao vento

Na Barra, vejo o seguinte anúncio em outdoor:

"Península Office. 100 % das unidades vendidas."

Se já está tudo vendido, por que continuam anunciando?

Lágrimas de urubu

Impressionante a capacidade de certas equipes de virar a mesa a seu favor quando tudo está contra. Assim foi o América do México. Também é impressionante a capacidade de certas equipes de virar a mesa contra si quando tudo está a seu favor. Assim foi o Flamengo.

Mas mais impressionante ainda é a parcialidade das redações de certos jornais, mais especificamente o "O Dia", o "Lance!" e o "Jornal dos Sports". O "O Dia", apesar de colocar a derrota do urubu em primeira página, minimiza o "maracanazo" dando destaque à prisão do casal Nardoni. O "Jornal dos Sports" coloca na primeira página em letras garrafais: EXPRESSO ARRASADOR. Quando puxo o jornal da pilha, descubro que estava falando da vitória do... Vasco contra o Corinthians-AL! E o "Lance!" me coloca uma caricatura do Ronaldinho com o Mr. Magoo!

Bom, como já falei aqui, o Flamengo tem time. Para ganhar campeonatos estaduais. Não competições internacionais. O mesmo se aplica ao Fluminense. Que, aliás, está com tudo... para tomar ferro do São Paulo nas quartas-de-final da Libertadores.

Mas não era disso que eu queria falar. Queria apenas demonstrar como as redações dos principais jornais esportivos do Rio estão infestadas de urubus.

terça-feira, 6 de maio de 2008

Remember

E no meio de tanto chororô, urubus e travecos, uma coisa é fato: Que falta faz o Bussunda nessa hora!



Sorte dos anjos, que devem estar rindo até agora...

Tava demorando

Nova campanha publicitária da Varilux:

"Para não levar André por Andréia, use Varilux"

segunda-feira, 5 de maio de 2008

A prancheta do Joel


Bola pra frente

E a história se repete. O Botafogo não tem banco, e não conseguiu se sustentar no jogo. Dominou no primeiro tempo, marcando muito bem o Urubu no meio do campo, fazendo o gol em uma jogada de bola parada. No segundo, bastou um gol de Obina logo no começo para desestabilizar o time.

Já haviam nuvens negras no ar, quando Joel Santana coloco Diego Tardelli e Obina em campo no segundo tempo, enquanto Cuca manteve o mesmo time. Não ia prestar. Obina confirmou isso logo no começo.

O ataque alvinegro, contando apenas com Jorge Henrique, pois Wellington Paulista fora uma nulidade em campo, pouco pôde fazer. Soma-se a isso a incapacidade do meio-campo alvinegro de fazer um lançamento que chegasse aos pés do ataque.

O gol de Tardelli aos 35 do segundo tempo matou o bicho. O alvinegro perdeu-se em campo e as substituições de Cuca pouco adiantaram. Não havia um meio-campo capaz de fazer um lançamento decente. Não havia um ataque capaz de fazer presença e dar algum movimento ao time. E a expulsão de Renato Silva deixou o time ainda mais exposto. O resultado foi o terceiro gol de Obina já nos acréscimos do segundo tempo.

Flamengo bi-campeão. Com méritos. Parabéns para o Joel, Obina, Tardelli, Bruno, Juan, Léo Moura e Marcinho.

Eu sei que o Souza não estará lendo esse blog. Mas se estiver, convenhamos... você foi uma nulidade nos dois jogos. Acha que pode zuar alguém? Ganhar na aba dos outros é mole.

Agora é levantar a cabeça e ignorar a provocação da urubuzada, pois quinta-feira é dia de cozinhar um galo. Em tacho de barro.

PS: Urubus, curtam bastante o Carioca. Afinal, não possuem time pra ganhar Libertadores.

Frase do dia seguinte

Da caixa de comentários de um blog:

"Fla é bi. O Ronaldo também."